Rio de Janeiro, Brasil
+55 (21) 98477-1201
oi@gastropoema.com.br

3 conceitos simples sobre Ayurveda. Será que você entende o Ayurveda assim também?

Neste post vamos abordar três conceitos simples sobre o Ayurveda que envolvem sua origem, suas especialidades e o que realmente é o Ayurveda. É para você entender e sentir essa maravilhosa ciência da vida. Bora juntes?

1 Origem do Ayurveda

1.1 Origem espiritual

Para começar, grave uma palavra na sua mente: silêncio. Vou por aqui uma poesia do Arnaldo Antunes para você, que diz assim:

antes de existir computador existia tevê

antes de existir tevê existia luz elétrica

antes de existir luz elétrica existia bicicleta

antes de existir bicicleta existia enciclopédia

antes de existir enciclopédia existia alfabeto

antes de existir alfabeto existia a voz

antes de existir a voz existia o silêncio

o silêncio

foi a primeira coisa que existiu

um silêncio que ninguém ouviu

Arnaldo Antunes

Tudo começou por volta de três mil anos atrás (alguns citam até cinco mil anos) onde o Ayurveda já era Ayurveda. Em um mundo diferente do atual, o Ayurveda foi concebido onde tudo existia em perfeita ordem. Sem conflitos. Sem doenças. Sem problemas. E por mais que eu curta definir o Ayurveda, e muitos já saem dizendo que ele é a ciência, ou o conhecimento, da vida, eu prefiro pensar em algo mais sutil e associar a sua origem ao silêncio.

Chegou a hora de você conhecer como o Ayurveda realmente nasceu.

Tudo começou com Brahma. Ele não criou o Ayurveda. Ele simplesmente recordou o Ayurveda que já existia nele. É como se Brahma, a força criadora do universo, tivesse um insight e todo esse conhecimento da vida viesse em sua mente. E com tamanha generosidade, ele entregou a Prajapati todo esse conhecimento. Prajapati, por sua vez, ensinou os gêmeos Aswini, que transmitiram a Indra, o rei dos deuses.

Até aqui essa passagem dos ensinamentos do Ayurveda é considerada espiritual. O Ayurveda ainda não estava entre nós, humanos. Essa fase aconteceu durante a Satya Yuga (em sânscrito, Yuga significa era, ciclo, período). Antes de entender como o Ayurveda chegou até nós, seres humanos, vou explicar um pouco as eras, ou Yugas.

1.2 As eras védicas

Ao todo, temos quatro eras distintas:

  • Satya Yuga – o Ayurveda nasceu aqui, essa era também é chamada de Krita Yuga.
  • Treta Yuga
  • Dvapara Yuga
  • Kali Yuga – estamos vivendo hoje aqui.

O sexto livro de Mahabarata de Krishna-Dwaipayana Vyasa, explica um pouco mais essas eras:

Sanjaya disse, ‘Ó touro da raça Bharata, quatro Yugas se manifestam no Varsha de Bharata, isto é, Krita, Treta, Dwapara, e Kali. O Yuga que inicia primeiro é Krita. Ó senhor; depois do término de Krita vem Treta; depois do término de Treta vem Dwapara; e depois desse último se inicia Kali. Quatro mil anos, ó melhor dos Kurus, são calculados como a média de vida, ó melhor dos reis, na época Krita. Três mil anos é o período em Treta, ó governante de homens. No momento em Dwapara as pessoas vivem sobre a Terra por dois mil anos. Em Kali, no entanto, ó touro da raça Bharata, não há limite fixo de média de vida, tanto que homens morrem enquanto no útero, como também logo depois do nascimento. Na era Krita, ó rei, homens nascem e geram filhos, às centenas e milhares, que são de grande força e grande poder, dotados do atributo de grande sabedoria, e possuidores de riqueza e belas feições. Naquela era são nascidos e gerados Munis dotados de riqueza de ascetismo, capazes de grande esforço, possuidores de almas elevadas, e virtuosos, e verdadeiros em palavras. Os Kshatriyas também, nascidos naquela era, são de feições agradáveis, saudáveis, possuidores de grande energia, talentosos no uso do arco, muito habilidosos em batalha e extremamente corajosos. Na era Treta, ó rei, todos os reis Kshatriya eram imperadores governando de mar a mar. Em Treta são gerados bravos Kshatriyas não sujeitos a ninguém, dotados de vidas longas, possuidores de heroísmo, e manejando o arco em batalha com grande habilidade. Quando Dwapara se inicia, ó rei, todas as (quatro) classes nascidas se tornam capazes de grande esforço, dotadas de grande energia, e desejosas de conquistar umas às outras. Os homens nascidos em Kali, ó rei, são dotados de pouca energia, muito coléricos, cobiçosos, e mentirosos. Ciúmes, orgulho, raiva, fraude, malícia e avareza, ó Bharata, são os atributos das criaturas na era Kali. A porção que resta, ó rei, desta era Dwapara, é pequena, ó soberano de homens. O Varsha conhecido como Haimavat é superior a Bharatavarsha, enquanto Harivarsha é superior a Hainavatvarsha, em relação a todas as qualidades.

Mahabarata de Krishna-Dwaipayana Vyasa

As respectivas durações desses quatro yugas, de acordo com a nossa contagem de tempo, fica assim:

  • Satya Yuga = 1.728.000 anos
  • Treta Yuga = 1.296.000 anos
  • Dvapara Yuga = 864.000 anos
  • Kai Yuga = 432.000 anos

O que quero ressaltar aqui é que a era em que vivemos, a Kali Yuga é quatro vezes mais curta que a Satya Yuga. 

Perceba a diferença de tempo entre essas eras e veja que nos dias atuais nós temos menos tempo para adquirir todo esse conhecimento da Ayurveda. Quero dizer então que só há um caminho para mim, para você, para todos nós conhecermos o Ayurveda, e ele não está nos livros. Considerando esse tempo escasso, só há uma saída para o entendimento da ciência da vida: entrar em estado de silêncio através da meditação e, assim, começar a recordar esse conhecimento que já está em nós. Com certeza isso será mais gratificante do que simplesmente ler sobre o Ayurveda.

Vamos prosseguir para ver como a Ayurveda chegou até nós.

1.3 Origem na Terra

Até então, a Ayurveda tinha passado por Brahma, Prajapati, Ashwini e Indra.

Próximo ao final da Satya Yuga, as doenças começaram a se manifestar. Foi ai que os grandes sábios do mundo se reuniram nas montanhas do Himalaia e resolveram aprender o Ayurveda de Indra e trazê-lo ao mundo para benefício dos seres vivos.

Pensando na cura das doenças, os sábios entraram em um estado profundo de meditação. Tá aí a importância do silêncio e porquê nós devemos meditar e buscar isso nos dias atuais. A meditação trouxe a descoberta da salvação em Indra, o senhor dos Deuses, que poderia explicar a maneira apropriada de agir contra as doenças.

Foi então que Indra passou o conhecimento do Ayurveda para Bharadwaj, Dhanvantari e Kashyap.

Bharadwaj  se ofereceu para ir até ao paraíso aprender com Indra o Ayurveda. Após esse aprendizado, ele retornou a terra e a expôs para a assembleia dos sábios. Um dos sábios, Atreya ensinou esta ciência para seis de seus discípulos, sendo o mais famoso deles o Agnivesa e, depois até Charaka. Indra passou o conhecimento do Ayurveda também para Dhanvanthari chegando até Sushruta.  E, finalmente, Indra repassou o Ayurveda para Kashyap.

E foi dessa forma que o Ayurveda foi trazido para Terra.

1.4 Os textos clássicos do Ayurveda

Os ensinamentos de Atreya lidam principalmente com o Kayachiktsa (medicina interna), que é um dos oito ramos do Ayurveda que veremos mais para frente. Esse tratado não está mais disponível em sua forma original, mas temos a oportunidade de conhecer sua forma resumida, conhecida como Charaka Samhita, por ser escrito por Charaka. Depois uma outra revisão foi feita e chegamos a mais um tratado, mais simples que o do Charaka, chamado Ashtanga hridayam.

2 Especialidades do Ayurveda

Existem oito ramos do Ayurveda onde são descritos os tratamentos das doenças. O sistema é bastante similar ao que temos na nossa medicina moderna.

É interessante saber isso para notar que as seis primeiras especialidades tratam de doenças. As duas últimas previnem as doenças. Segundo um sábio chamado Vagbhata, 85% das doenças podem ser curadas sem o auxílio da medicina, ou seja, apenas 15% das doenças requerem que você realmente precise de um tratamento médico mais complexo.

Então, entender os oito ramos da Ayurveda é começar a pensar em se prevenir das doenças através de uma boa alimentação, de uma boa noite de sono, de praticar atividades físicas regulares e de aquietar a mente com o silêncio.  Dessa forma, você provavelmente não irá precisar de tratamentos médicos complexos no futuro.

3 O que é Ayurveda?

A definição de Ayurveda mais simples é: Ayus é vida. Veda é conhecimento, ciência. Ayurveda é o conhecimento ou ciência da vida. Charaka fala sobre a vida da seguinte forma:

O termo “Ayus” significa a combinação do corpo, dos órgãos dos sentidos, da mente e do espírito e seu sinônimo é “dhari” (aquilo que previne a decadência do corpo), “jivita” (que conserva a vida), “nityaga” (que serve como um substrato permanente deste corpo) e “anubandha” (que transmigra de um corpo para outro).

A vida é então a combinação de quatro coisas:

  • O corpo – feito dos cinco elementos (mahabhutas), da mente e do espírito.
  • Os órgãos dos sentidos – olhos, ouvidos, nariz, boca e pele.
  • A mente – que é sattva.
  • O espírito – portador do conhecimento.

Ayurveda é o conhecimento dessa combinação, desses quatro significados. Somente quando o nosso corpo, nossos sentidos, nossa mente e nossa alma estiverem tendendo ao equilíbrio é que haverá a tão sonhada saúde. Isso é conhecer a vida. É o Ayurveda em forma de autoconhecimento e auto cura. É assim que você precisa pensar, sentir e agir.

O Ayurveda é um mundo sem fim. Parece que quanto mais conhecemos, menos sabemos.

4 Resumo

  • O Ayurveda tem uma origem espiritual e é através dela que aprendemos o verdadeiro Ayurveda.
  • Não adianta ler tudo sobre ele se você não aguçar sua percepção sutil.
  • O Ayurveda verdadeiro é concebido quando meditamos em silêncio.
  • Ele existe dentro de você mesmo que você não saiba.

5 Bibliografia

  • Mahabarata de Krishna-Dwaipayana Vyasa
  • Ashtanga Hridayam – Sutrasthana
  • Charaka Samhita – Sutrasthana

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

 

error: Content is protected !!